Buscar

Uso de álcool e COVID-19: Podemos prever o impacto da pandemia no uso de álcool com base nas crises

Atualizado: Jan 26

Imagem: Priscila Dib Gonçalves

Crédito: Carolina Dolacio

Tradução: Equipe GREA


Priscila Dib Gonçalves1*, Helena Ferreira Moura2, Ricardo Abrantes do Amaral1, João Maurício Castaldelli-Maia1,3 and André Malbergier1

  • 1Department of Psychiatry, Medical School of University of São Paulo (USP), São Paulo, Brazil

  • 2Department of Psychiatry, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Faculty of Medicine, Porto Alegre, Brazil

  • 3Department of Neuroscience, ABC Health University Center, Santo André, Brazil


Os enormes desafios econômicos e de saúde precipitados pela pandemia da doença coronavírus (COVID-19) de 2019 são comparáveis ​​ou até maiores do que aqueles associados a crises mundiais históricas anteriores. O uso de álcool, especialmente beber para lidar com o estresse, é uma preocupação, já que um aumento nas vendas foi relatado em alguns países durante a quarentena. Este estudo visa fornecer uma melhor compreensão do que esperar em termos de consumo de álcool, fatores de risco para o uso excessivo e suas potenciais consequências durante esta pandemia com base em experiências anteriores. Investigamos como eventos traumáticos se relacionam ao consumo de álcool. Foram selecionados estudos sobre eventos traumáticos em massa (por ex., terrorismo como 11 de setembro), surtos epidêmicos (por ex., síndrome respiratória aguda grave [SARS] em 2003), crises econômicas (como a Grande Recessão de 2008) e COVID-19. As principais palavras-chave usadas para selecionar os estudos foram uso de álcool, padrões de consumo de álcool, transtornos relacionados ao uso de álcool e consequências relacionadas ao álcool. Estudos anteriores relataram aumentos no uso de álcool associados a eventos mediados, pelo menos parcialmente, por sintomas de ansiedade e depressivos e transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). Ser homem, jovem e solteiro também parece estar associado a uma maior vulnerabilidade para desenvolver comportamentos de risco para beber após esses eventos trágicos. A discussão dos fatores de risco e proteção anteriores pode contribuir para a elaboração de políticas públicas de saúde mais específicas para mitigar o impacto da atual pandemia na saúde mental das pessoas, especialmente os problemas relacionados ao álcool.

Introdução

A pandemia da doença coronavírus 2019 (COVID-19) é uma situação sem precedentes no século XXI. Desde sua eclosão, o mundo inteiro enfrenta desafios econômicos e de saúde. As consequências desta pandemia na saúde mental das pessoas ainda são desconhecidas, mas os dados disponíveis sugerem que a situação pode ser considerada um “desastre” ( 1 ). Desastres como pandemias são experiências coletivas, também chamadas de traumas em massa, e as restrições de quarentena representam uma ameaça adicional à integridade mental dos indivíduos ( 2 ).

Sintomas de ansiedade, distúrbios do humor, crenças hipocondríacas, sono insatisfatório e preocupações são as manifestações de saúde mental mais comuns no surto de COVID-19 ( 3 - 7 ). Medo de contaminação, aflições pessoais (luto, falta de rotina e isolamento) e insegurança financeira (ou seja, incerteza e desemprego) são alguns dos fatores de estresse atuais.

Uma revisão de experiências psicológicas estressantes e ingestão de álcool concluiu que o estresse está associado a um risco aumentado para o uso excessivo de álcool, problemas relacionados ao álcool e transtornos por uso de álcool (AUD) ( 8 ). Alguns dados recentes mostraram que as vendas e entrega de álcool aumentaram durante o surto de COVID-19 ( 9 , 10 ).

A comunidade científica expressou sua preocupação com o uso indevido de álcool durante e após a pandemia de COVID-19 ( 10 - 12 ), pois estudos preliminares têm detectado alguns problemas relacionados ao álcool. Há relatos de um aumento no número de atendimentos de emergência (PS) relacionados ao uso de álcool (incluindo síndromes graves de abstinência de álcool) ( 13 - 15 ) e tentativas de suicídio relacionadas ao medo de contaminação em indivíduos com AUD grave ( 16 ). Além disso, níveis moderados de ingestão de álcool foram observados em 28,6% dos indivíduos hospitalizados por COVID-19 na Inglaterra ( 17 ).

Esta revisão narrativa visa examinar os dados sobre o impacto de três desastres anteriores críticos no uso de álcool. As informações extraídas desta revisão serão analisadas como uma ferramenta potencial para prever o efeito da crise atual sobre o consumo de álcool. Consideramos os três eventos anteriores a seguir: o ataque ao World Trade Center (terrorismo), a SARS (epidemia respiratória) e a Grande Recessão de 2008. Estudos recentes sobre COVID-19 e uso de álcool também foram revisados. Realizamos quatro pesquisas diferentes no PubMed com “uso de álcool”, “problemas relacionados ao álcool” ou “transtorno por uso de álcool” e / ou “estresse” e / ou “PTSD” com os seguintes eventos separadamente: 1 World Trade Center ou ataque de 11 de setembro (terrorismo); 2 recessões econômicas; 3 SARS (epidemia respiratória) e 4 COVID-19 no Título / Resumo.Tabela 1 , que foi dividida de acordo com as seguintes seções: 1 terrorismo, 2 adversidades econômicas, 3 SARS e 4 COVID-19.

TABELA 1



Tabela 1 . Achados dos principais estudos incluídos na presente revisão narrativa.

Terrorismo

Nos últimos 20 anos, muitos estudos foram realizados sobre os efeitos do terrorismo na saúde mental e no uso de álcool. Uma meta-análise que incluiu investigações sobre o ataque às torres gêmeas de 11 de setembro, o bombardeio de Oklahoma City e eventos terroristas em Israel e na Inglaterra mostrou um aumento no consumo de álcool até 2 anos após o episódio traumático. Os autores estimam que 7,3% da população exposta ao evento apresenta uso indevido de álcool após um ataque terrorista. Os métodos usados ​​nas pesquisas agrupadas nesta meta-análise incluíram estudos prospectivos usando pesquisas por telefone com discagem aleatória para entrar em contato com os participantes, análises focadas em grupos específicos (isto é, equipes de resgate, veteranos) e coortes longitudinais, entre outros ( 19 ).

Após a publicação desta meta-análise, um estudo comunitário revelou que os motivos de beber (ou seja, beber para enfrentar o afeto negativo e para se divertir) avaliados 10 anos antes podem prever um maior risco de uso de álcool após o ataque de 11 de setembro (2001), independentemente de nível de exposição ao evento fatídico e diagnóstico de AUD ao longo da vida ( 18 ).

Um conjunto de dados exclusivo sobre o impacto do terrorismo na sociedade é o Registro de Saúde do World Trade Center (WTC), uma coorte de indivíduos diretamente expostos ao evento. Os indivíduos foram avaliados em quatro momentos diferentes: Onda 1 (2003–2004), Onda 2 (2006–2007), Onda 3 (2011–2012) e Onda 4 (2015–2016) ( 51 , 52 ). Para esta revisão, dois estudos recentes publicados por Welch et al. ( 21 , 22) foram selecionados, que investigaram o impacto de longo prazo desse trágico episódio no uso de álcool. Os autores observaram que 7,8% dos participantes relataram consumo excessivo de álcool com frequência 5-6 anos após o 11 de setembro. Além disso, consumo excessivo de álcool frequente (5+ bebidas por ocasião, 5+ vezes nos últimos 30 dias) foi associado à alta exposição do evento (4+ experiências, como testemunhar o terror, estar perto de alguém que morreu no evento, e outras). Maiores chances de consumo excessivo de álcool foram encontradas em jovens do sexo masculino (18-29 anos), fumantes e ex-fumantes, com 12-16 anos de educação formal (ensino médio / superior), maior exposição ao evento e participantes com estresse pós-traumático sintomas de transtornos (PTSD). Por outro lado, os fatores relacionados a taxas mais baixas de compulsão periódica foram 65 anos ou mais e serem asiáticos ( 21)

O segundo estudo teve como objetivo investigar a intensidade do consumo excessivo de álcool nos 30 dias anteriores, 10 anos após o ataque terrorista (Onda 3). Seus resultados revelaram que 24,6% dos participantes relataram consumo excessivo de álcool, cerca de um terço deles com alta intensidade (8+ bebidas para homens, 7+ bebidas, mulheres). Maior chance de uso excessivo de álcool foi observada em jovens do sexo masculino (18–34 anos), caucasianos, com maior exposição ao evento e com sintomas de TEPT ( 22 ).

Um estudo mais recente investigou hospitalizações por diagnóstico relacionado ao álcool ou drogas durante um período de até nove anos após o 11 de setembro, combinando dois conjuntos de dados: o WTC Health Registry e os dados de hospitalização administrativa do estado de Nova York. Seiscentos e cinco indivíduos (1,5% de uma amostra de 41.176 indivíduos) foram hospitalizados pelo menos uma vez por diagnóstico de álcool ou drogas. Homens e indivíduos com TEPT relacionado ao evento tiveram quatro vezes mais chances de ter uma hospitalização relacionada ao álcool ( 20 ).

Resumindo, os fatores de risco para o uso mais frequente e excessivo de álcool foram ser do sexo masculino e atender aos critérios para TEPT. Além disso, hábitos de beber de longo prazo relacionados ao 11 de setembro foram mais prováveis ​​de ocorrer em indivíduos mais jovens, com maior exposição ( 20 - 22 ).

Adversidade econômica

As crises econômicas, por si só , ou como consequência de outros desastres, podem afetar o uso do álcool de diferentes maneiras. No nível individual (micro), o consumo de álcool pode aumentar como forma de lidar com os afetos negativos. Por outro lado, pode diminuir devido à perda de recursos econômicos. No nível social / nacional (macro), o uso de álcool pode ser influenciado por políticas públicas (como apoio social ou estratégias preventivas para problemas relacionados ao álcool), preço e disponibilidade de bebidas alcoólicas e acesso ao tratamento ( 24 , 27 , 53 )

A Grande Recessão de 2008 foi caracterizada pelo aumento das taxas de desemprego, redução dos salários, aumento das dívidas individuais e perda de poder de compra. Os países em todo o mundo foram impactados e responderam de forma diferente de acordo com o suporte social ( 24 , 29 , 53 ), os preços do álcool ( 25 , 27 , 29 ) e a disponibilidade de serviços de saúde ( 53 , 54 ). Houve algumas diferenças também relacionadas ao consumo regional padrões e especificidades culturais e demográficas ( 53 ).

Estudos americanos mostraram um declínio no consumo de álcool durante a Grande Recessão de 2008. No entanto, observou-se aumento do consumo excessivo de álcool em populações específicas, ou seja, jovens, homens, desempregados, indivíduos com menos anos de estudo, não negros e com maior renda ( 26 , 27 , 33 , 35 , 55 ). Além disso, a percepção subjetiva de perda econômica e maior adversidade econômica no contexto de preconceito social foram relacionadas ao consumo de álcool problemático em negros americanos e hispânicos ( 32 , 55 ).

Estressores econômicos também foram relevantes para os resultados do consumo de álcool, e essa associação foi mais forte em homens ( 27 ). Um estudo examinou a relação entre o uso de álcool, adversidade econômica e suicídio. Homens que cometeram suicídio tiveram um aumento mais significativo no consumo de bebidas alcoólicas no início da recessão do que a população masculina em geral. Esse achado não foi observado no sexo feminino ( 33 ).

Ao comparar o uso de álcool entre as gerações (Millennials, Geração X e Baby Boomers) e o impacto da vulnerabilidade socioeconômica, 30) observou que os Millennials tiveram um risco aumentado de consumo excessivo de álcool em comparação com a Geração X, enquanto os Baby Boomers reduziram o risco. As taxas de vulnerabilidade social também foram maiores entre os Millennials e menores entre a coorte mais velha, embora não tenham sido associadas ao consumo excessivo de álcool ( 35 ).

A Grande Recessão afetou os países europeus de maneira diferente. Na Espanha, taxas mais elevadas de problemas relacionados ao álcool foram observadas em homens, na população em idade ativa e naqueles com renda mais elevada, enquanto os resultados para a situação de emprego foram mistos. Gili et al. ( 30 ) encontraram um aumento significativo (4,6%) no abuso e dependência de álcool em ambientes de atenção primária durante a recessão. Um estudo de coorte avaliou as mortes diretamente atribuíveis ao álcool (DDA) e a situação profissional. No geral, os resultados mostraram que os subgrupos de homens não casados ​​desempregados com riqueza material substancial tiveram mudanças mais desfavoráveis ​​no DDA. Ao mesmo tempo, resultados mais favoráveis ​​foram vistos em indivíduos empregados, incluindo trabalhadores não qualificados ( 23) Um grande estudo populacional prospectivo encontrou um aumento na DDA após a crise entre homens e mulheres em todos os grupos educacionais. No entanto, este aumento foi maior nos indivíduos com alto nível de escolaridade (+ 25,3% nos homens e + 113,8% nas mulheres) e menor naqueles com menor escolaridade (+ 6,2% e + 1,5%, respectivamente) ( 34 ).

Após a Grande Recessão, os planos econômicos impostos pela União Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional conduziram a Grécia a uma era de austeridade. Naquela época, a Global Burden of Disease Initiative (2018) avaliou os anos de convivência com uma deficiência (YLD) na era pré e pós-austeridade. De 2000 a 2016, a Grécia teve um aumento de 2% no YLD, enquanto outros países europeus mostraram a tendência oposta. O álcool foi o segundo fator de risco comportamental para YLD entre pessoas de 15 a 49 anos ( 31 ).

Na Holanda, uma pesquisa epidemiológica investigou as tendências temporais do consumo de álcool episódico e crônico de 2004 a 2013. Os padrões desviados após a crise sugeriram que o efeito da renda poderia explicar as mudanças no consumo de álcool nos grupos socioeconômicos mais baixos. Em contrapartida, para mulheres e homens de meia-idade e alta renda, o mecanismo de automedicação relacionado ao uso de álcool foi mais evidente ( 28 ). Esta pesquisa também mostrou que o desemprego estava associado ao aumento do uso de álcool, especialmente entre os homens com períodos mais prolongados de desemprego (> meses). Curiosamente, essas associações não foram encontradas antes da crise ( 29 ).

Na Islândia, houve uma redução de 5% ao ano no consumo de álcool entre a população em idade ativa durante a crise. A desvalorização da coroa islandesa (36%) e a inflação aumentaram os preços do álcool em 48,7% ( 24 ). Em 2012, a Islândia já havia se recuperado da crise econômica, mas os padrões de consumo de álcool não voltaram aos níveis anteriores à crise e continuaram a diminuir a um ritmo mais lento (2–3% ao ano) ( 25 ). Portanto, embora os fatores macroeconômicos tenham desempenhado um papel importante na redução do consumo de álcool, os preços elevados não poderiam explicar totalmente esse efeito. Outras variáveis, como maior participação da comunidade, podem ter contribuído ( 25 ).

Em conclusão, a maioria dos estudos sobre adversidade econômica e uso de álcool indicou uma vulnerabilidade aumentada para o consumo prejudicial de álcool entre homens em idade produtiva desempregados. Outros fatores como estado civil, histórico educacional, status econômico, sofrimento psicológico, preconceito étnico e geração também interagem com os resultados do consumo de álcool.

Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS)

A maioria dos estudos sobre o surto de SARS avaliou os fatores de risco dos profissionais de saúde (PS), as estratégias de enfrentamento e a ocorrência de problemas de saúde mental. Um estudo em PS de serviço de emergência (DE) que atendeu pacientes com SARS em Cingapura ( 38 ) mostrou que as principais estratégias de enfrentamento eram os laços sociais, como religião, e não o uso de álcool / drogas.

Além disso, os transtornos depressivos e de ansiedade, incluindo PTSD, e não AUD, foram os transtornos mais prevalentes em pacientes hospitalizados que sobreviveram 30 meses após as epidemias de SARS ( 37 ). Os autores sugeriram que o conhecimento de que o álcool era um risco para necrose avascular pós-SARS pode ter sido um impedimento para o consumo de álcool. Lancee et al. ( 36 ) também não observou uma elevação em AUD em uma amostra canadense afetada por SARS.

Ao contrário do que foi observado nos estudos acima, Wu et al. ( 39 ) estudaram o número de sintomas de AUD entre funcionários de hospitais em Pequim, China, três anos após o surto de SARS. O aumento do número de sintomas de AUD foi positivamente associado a ser do sexo masculino, ter uma renda familiar mais elevada, estar em quarentena ou trabalhar em locais de alto risco, bem como beber para enfrentar, sintomas pós-traumáticos (PTS) e depressão. A relação entre a exposição ao surto e os sintomas de AUD não foi afetada por fatores sociodemográficos. Além disso, a inclusão de clusters de PTS no modelo revelou que pontuações mais altas de hiperexcitação estavam associadas a sintomas de AUD.

Três em cada quatro estudos de SARS examinaram as respostas dos profissionais de saúde à epidemia. Aumentos no número de sintomas relacionados ao álcool foram significativamente associados a maiores escores de hiperexcitação. As preocupações culturais e dos pacientes sobre os impactos do álcool na SARS podem prevenir o abuso do álcool.

Doença por Coronavírus (COVID-19)

Após um semestre da pandemia COVID-19, vários estudos relataram algum aumento no uso de álcool. No Canadá, 20% dos participantes que ficaram em casa aumentaram o consumo de álcool. Comparando o uso de álcool antes da pandemia, 21% dos canadenses que ficaram em casa relataram beber com mais frequência. As razões para tal comportamento foram falta de rotina, tédio e estresse ( 45 ). Um estudo brasileiro descobriu que 18% da amostra bebeu mais durante a pandemia. Participantes de 30 a 39 anos apresentaram o maior aumento (25,6%). O uso de álcool foi associado a sentir-se triste / deprimido ( 42 ). Na Polônia, um aumento no uso de álcool foi observado em 14,6% da amostra estudada durante a quarentena ( 48) Na Bélgica, houve um aumento de 30,3% no consumo de álcool, que foi associado a ter mais filhos em casa, desemprego e menor idade ( 56 ). O convívio foi o principal motivo relatado, seguido por recompensa, falta de contatos sociais, perda da estrutura diária e aumento da tensão ( 56 ).

Na Austrália, uma pesquisa online administrada durante o pico do surto (27/03–04 / 07) revelou que 52,7% da amostra apresentava um padrão perigoso de uso de álcool, segundo o AUDIT-C ( 46 ). Outra pesquisa realizada entre 9 e 19 de abril mostrou que ~ 25% dos adultos aumentaram o consumo de álcool principalmente devido a níveis mais elevados de estresse, ansiedade e sintomas de depressão ( 47 ). Além disso, uma pesquisa online posterior, conduzida de 16/4 a 11/5, mostrou que níveis mais elevados de estresse também estavam associados ao uso prejudicial de álcool; no entanto, os autores relataram uma diminuição no consumo prejudicial de álcool (medido pelo AUDIT), especialmente em indivíduos de 18 a 25 anos ( 57 ). Além disso, Bade et al. ( 58) observaram níveis mais baixos de detecção de álcool na análise de águas residuais na Austrália durante a quarentena em comparação aos anos anteriores, sugerindo uma redução no consumo de álcool entre a população em geral ( 58 ). Esses achados são possivelmente o resultado de restrições a eventos sociais associados ao comportamento de beber ( 58 ).

Na China, um estudo em Hubei (o foco principal no início da pandemia) detectou maiores proporções de uso nocivo / perigoso de álcool e AUD em comparação com outras províncias ( 41 ). Em Wuhan (o epicentro do COVID-19), um estudo exploratório sobre as condições de vida das pessoas em quarentena mostrou que mais de 80% relataram níveis elevados de estresse percebido. Nesse caso, as mulheres que bebem regularmente têm uma probabilidade duas vezes maior de maior percepção de estresse do que as abstêmios ( 50 ), indicando que o álcool e o estresse podem funcionar nos dois sentidos. Além disso, na China, os indivíduos que relataram estratégias de enfrentamento mais negativas (incluindo o uso de álcool) eram mais propensos a ter distúrbios psicológicos ( 44) Em outro estudo, o pensamento mais persistente do COVID-19 foi relacionado ao uso de álcool / drogas como estratégia de enfrentamento ( 43 ). Quase dois em cada dez ex-bebedores recaíram na juventude e 1,7% começaram a beber ( 49 ).

Apesar de todos os estudos acima relatarem um aumento do uso de álcool durante o COVID-19, os resultados preliminares de uma pesquisa internacional online (Europa, Norte da África, Ásia Ocidental e Américas) mostraram que o consumo excessivo de álcool diminuiu em 2020 em comparação com 2019. Um dos possíveis As explicações para esta descoberta foram a falta de pressão dos pares nos jovens ( 40 ).

A maioria dos estudos COVID-19 mostra aumentos na quantidade / frequência do consumo de álcool e bebidas nocivas e perigosas. Tédio, estar em casa / em quarentena, falta de rotina, sintomas de transtornos mentais e estilos de enfrentamento negativos foram associados a esses aumentos. Quando entediadas, as pessoas querem se envolver com uma atividade, mas não com o que está disponível no momento. Esse conflito é exacerbado quando fatores externos impõem restrições à gama de comportamentos que podem ter, que é justamente o cenário atual, em nível global, durante o período de isolamento social em resposta à pandemia COVID-19 ( 59 ). Struk et al. ( 60) estudo sugere que sentimentos de tédio podem contribuir para o comportamento de quebra de regras e alguns resultados negativos, incluindo níveis mais elevados de depressão e ansiedade e problemas com álcool em jovens e adultos mais velhos ( 61 , 62 ). Nesse sentido, uma forte associação com beber e contato social durante a quarentena foi observada nos EUA ( 63 ). Esta não adesão às normas de distanciamento social foi encontrada entre jovens adultos (18–25 anos) com bebida perigosa anterior ( 63 ).

A pandemia COVID-19 também mudou o uso de álcool em adolescentes. Um estudo canadense mostrou que, embora tenha havido uma diminuição no consumo excessivo de álcool, a frequência do uso de álcool aumentou ( 64 ). Embora o uso de álcool na adolescência normalmente ocorra no contexto de pares, durante esta pandemia 67% relataram beber sozinho. Surpreendentemente, 93,3% bebiam com os pais, o que também estava associado a menos consumo excessivo de álcool e menos uso de cannabis ou vaporização, sugerindo uma mudança para um comportamento mais “aceitável” ao consumir substâncias em casa ( 64 ).

No entanto, o contexto de pares ainda era relevante para adolescentes e 77,6% relataram beber com amigos por meio da tecnologia. Mais preocupante, 67% relataram beber cara a cara com amigos. A preocupação de como o distanciamento social afetaria sua reputação foi preditiva de beber face a face entre aqueles com baixa popularidade autorrelatada, enquanto foi um indicador significativo de beber solitário entre aqueles com alta popularidade autorrelatada. Depressão e medo de infecção também predizem o consumo solitário ( 64 ).

Estar em casa / em quarentena requer mais organização, automonitoramento e disciplina para realizar e gerenciar todas as demandas da vida diária. Nesse contexto, alguns indivíduos enfrentam desafios no estabelecimento de sua rotina, tendo dificuldade em discriminar quais períodos e dias são destinados exclusivamente ao trabalho, lazer e afazeres domésticos, o que pode contribuir para o aumento do uso de álcool por não apresentarem restrições sociais. e outras consequências / razões negativas imediatas relacionadas ao seu uso, como atraso no trabalho e desempenho insatisfatório em uma reunião, entre outros. Outros fatores que contribuem para o uso de álcool são o isolamento social, estresse e estilos de enfrentamento negativos, como beber para lidar com o estresse e lidar com as emoções.12 , 65 , 66 ).

Por outro lado, a não adesão às normas de distanciamento social e os contatos pessoais também estiveram associados ao consumo de álcool, principalmente entre os jovens com consumo nocivo de álcool ao longo da vida e aqueles com baixa popularidade percebida. Portanto, ter uma rotina estruturada, realizar atividades favoráveis ​​e melhorar as habilidades de enfrentamento são considerados elementos de proteção ao uso prejudicial do álcool e são comumente alvos no tratamento de transtornos por uso de álcool ( 67 ). Os adolescentes também podem se beneficiar de intervenções que visam melhorar a autoestima e os pais devem ser alertados contra os malefícios do consumo de álcool por menores.

Discussão

Os indivíduos respondem a eventos traumáticos de diferentes maneiras, conforme observado em situações anteriores de trauma de massa. O aumento do consumo de álcool, especialmente em subgrupos específicos, é uma das respostas possíveis ( 19 , 27 ). Estudos preliminares conduzidos de março a maio de 2020 indicaram um aumento no uso de álcool, bebida para lidar com emoções negativas e sintomas depressivos e de ansiedade ( 41 , 42 , 45 , 46 , 48 ).

Após experiências estressantes de ataques terroristas, adversidade econômica e epidemias, algumas características sociodemográficas - gênero masculino, solteiro e jovens - parecem prever um risco maior de desenvolver resultados adversos com o consumo de álcool (maior frequência / quantidade, problemas relacionados ao álcool). Alta proximidade / exposição ao evento é outro fator de risco ( 21 , 26 , 35 ). Esses dados podem ajudar a adequar nossas estratégias preventivas para evitar problemas de uso de álcool entre o perfil sociodemográfico acima.

Por outro lado, na Ásia, os estudos sobre o uso de álcool e SARS não mostraram mudanças nos padrões de uso de álcool. Esses resultados podem estar associados ao uso de estratégias de enfrentamento mais adaptativas (ou seja, religião) e menor tolerância ao álcool observada em indivíduos asiáticos ( 36 , 38 , 68 , 69 ).

Várias limitações nos dados atuais sobre o uso de álcool e eventos estressantes devem ser consideradas como a falta de medidas padronizadas para acessar o uso de álcool nesses estudos. Devido à urgência do assunto, os dados sobre o uso de álcool durante a pandemia COVID foram avaliados principalmente pela autopercepção subjetiva da ingestão de álcool ( 42 , 45 , 48 ). Outra limitação frequente nesses estudos foi a falta de quantificação do uso de álcool ( 43 , 44 , 70 ). Concluindo, todas essas variáveis ​​devem ser levadas em consideração na interpretação dos resultados do estudo anterior e na formulação de hipóteses para o impacto das adversidades econômicas causadas pela pandemia COVID-19.

A extensão total do impacto do COVID-19 na saúde mental ainda não foi estabelecida. Indivíduos e variáveis ​​regionais devem ser considerados no desenvolvimento de estratégias para mitigar os problemas de uso de álcool.

Contribuições do autor

PG elaborou o estudo, revisou a literatura, editou e revisou criticamente o manuscrito e aprovou a versão final do manuscrito. HM revisou a literatura, editou e revisou criticamente o manuscrito e aprovou a versão final do manuscrito. RA revisou a literatura, editou e revisou criticamente o manuscrito e aprovou a versão final do manuscrito. JC-M editou e revisou criticamente o manuscrito e aprovou a versão final do manuscrito. AM desenhou o estudo, editou e revisou criticamente o manuscrito e aprovou a versão final do manuscrito. Todos os autores contribuíram com o artigo e aprovaram a versão submetida.

Conflito de interesses

JC-M foi premiado com Subsídios Independentes para Aprendizagem e Mudança (IGLC) da Pfizer (bolsa IGLC 36893805 e IGLC 37866815), que não tinha nenhuma relação de financiamento com este projeto.

Os demais autores declaram que a pesquisa foi realizada na ausência de quaisquer relações comerciais ou financeiras que pudessem ser interpretadas como um potencial conflito de interesses.




References 1. Neria Y, Nandi A, Galea S. Post-traumatic stress disorder following disasters: a systematic review. Psychol Med. (2008) 38:467. doi: 10.1017/S0033291707001353 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 2. Kessler RC, Aguilar-Gaxiola S, Alonso J, Benjet C, Bromet EJ, Cardoso G, et al. Trauma and PTSD in the WHO world mental health surveys. Eur J Psychotraumatol. (2017) 8:1353383. doi: 10.1080/20008198.2017.1353383 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 3. Carvalho P, Moreira MM, de Oliveira M, Landim J, Neto M. The psychiatric impact of the novel coronavirus outbreak. Psychiatr Res. (2020) 286:112902. doi: 10.1016/j.psychres.2020.112902 PubMed Abstract | CrossRef Full Text 4. Moukaddam N, Shah A. Psychiatrists Beware! the Impact of COVID-19 and Pandemics on Mental Health. Psychiatric Times. (2020) MJH Associates (2020). Available online at: https://www.psychiatrictimes.com/psychiatrists-beware-impact-coronavirus-pandemics-mental-health (accessed June 25, 2020). 5. Park S, Park YC. Mental health care measures in response to the 2019 novel coronavirus outbreak in Korea. Psychiatry Investig. (2020) 17:85–6. doi: 10.30773/pi.2020.0058 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 6. Shigemura J, Ursano RJ, Morganstein JC, Kurosawa M, Benedek DM. Public responses to the novel 2019 coronavirus (2019-nCoV) in Japan: mental health consequences and target populations. Psychiatry Clin Neurosci. (2020) 74:281–2. doi: 10.1111/pcn.12988 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 7. Simione L, Gnagnarella C. Differences between health workers and general population in risk perception, behaviors, and psychological distress related to COVID-19 spread in Italy. Front Psychol. (2020) 11:2166. doi: 10.3389/fpsyg.2020.02166. [Epub ahead of print]. PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 8. Keyes KM, Hatzenbuehler ML, Hasin DS. Stressful life experiences, alcohol consumption, and alcohol use disorders: the epidemiologic evidence for four main types of stressors. Psychopharmacology. (2011) 218:1–17. doi: 10.1007/s00213-011-2236-1 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 9. Colbert S, Wilkinson C, Thornton L, Richmond R. COVID-19 and alcohol in Australia: industry changes and public health impacts. Drug Alcohol Rev. (2020) 39:435–40. doi: 10.1111/dar.13092 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 10. Rehm J, Kilian C, Ferreira-Borges C, Jernigan D, Monteiro M, Parry CDH, et al. Alcohol use in times of the COVID 19: implications for monitoring and policy. Drug Alcohol Rev. (2020) 39:301–4. doi: 10.1111/dar.13074 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 11. Clay JM, Parker MO. Alcohol use and misuse during the COVID-19 pandemic: a potential public health crisis?. Lancet Public Health. (2020) 5:e259. doi: 10.1016/S2468-2667(20)30088-8 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 12. Koob GF, Powell P, White A. Addiction as a coping response: hyperkatifeia, deaths of despair, and COVID-19. Am J Psychiatry. (2020) 177:1031–7. doi: 10.1176/appi.ajp.2020.20091375 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 13. Balhara YPS, Singh S, Narang P. The effect of lockdown following COVID-19 pandemic on alcohol use and help seeking behaviour: Observations and insights from a sample of alcohol use disorder patients under treatment from a tertiary care centre. Psychiatry Clin Neurosci. (2020) 74:440–1. doi: 10.1111/pcn.13075 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 14. Narasimha VL, Shukla L, Mukherjee D, Menon J, Huddar S, Panda UK, et al. Complicated alcohol withdrawal—an unintended consequence of COVID-19 lockdown. Alcohol Alcohol. (2020) 55:350–3. doi: 10.1093/alcalc/agaa042 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 15. Smalley CM, Malone DA, Meldon SW, Borden BL, Simon EL, Muir MR, et al. The impact of COVID-19 on suicidal ideation and alcohol presentations to emergency departments in a large healthcare system. Am J Emerg Med. (2020). doi: 10.1016/j.ajem.2020.05.093. [Epub ahead of print]. PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 16. Dsouza DD, Quadros S, Hyderabadwala ZJ, Mamun MA. Aggregated COVID-19 suicide incidences in India: fear of COVID-19 infection is the prominent causative factor. Psychiatry Res. (2020) 290:113145. doi: 10.1016/j.psychres.2020.113145 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 17. Hamer M, Kivimäki M, Gale CR, Batty GD. Lifestyle risk factors for cardiovascular disease in relation to COVID-19 hospitalization: a community-based cohort study of 387,109 adults in UK. medRxiv [preprint]. (2020) doi: 10.1101/2020.05.09.20096438 CrossRef Full Text | Google Scholar 18. Beseler CL, Aharonovich E, Hasin DS. The enduring influence of drinking motives on alcohol consumption after fateful trauma. Alcohol Clin Exp Res. (2011) 35:1004–10. doi: 10.1111/j.1530-0277.2010.01431.x PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 19. DiMaggio C, Galea S, Li G. Substance use and misuse in the aftermath of terrorism. A Bayesian meta-analysis. Addiction. (2009) 104:894–904. doi: 10.1111/j.1360-0443.2009.02526.x PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 20. Hirst A, Miller-Archie SA, Welch AE, Li J, Brackbill RM. Post-9/11 drug- and alcohol- related hospitalizations among world trade center health registry enrollees, 2003-2010. Drug Alcohol Depend. (2018) 187:55–60. doi: 10.1016/j.drugalcdep.2018.01.028 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 21. Welch AE, Caramanica K, Maslow CB, Cone JE, Farfel MR, Keyes KM, et al. Frequent binge drinking five to six years after exposure to 9/11: findings from the world trade center health registry. Drug Alcohol Depend. (2014) 140:1–7. doi: 10.1016/j.drugalcdep.2014.04.013 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 22. Welch AE, Caramanica Zweig K, McAteer JM, Brackbill RM. Intensity of binge drinking a decade after the september 11th terror attacks among exposed individuals. Am J Prev Med. (2017) 52:192–8. doi: 10.1016/j.amepre.2016.10.034 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 23. Alonso I, Vallejo F, Regidor E, Belza MJ, Sordo L, Otero-García L, et al. Changes in directly alcohol-attributable mortality during the great recession by employment status in Spain: a population cohort of 22 million people. J Epidemiol Commun Health. (2017) 71:736–44. doi: 10.1136/jech-2016-208759 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 24. Ásgeirsdóttir TL, Corman H, Noonan K, Ólafsdóttir P, Reichman NE. Was the economic crisis of 2008 good for Icelanders? Impact on health behaviors. Econ Hum Biol. (2014) 13:1–19. doi: 10.1016/j.ehb.2013.03.005 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 25. Ásgeirsdóttir TL, Corman H, Noonan K, Reichman NE. Lifecycle effects of a recession on health behaviors: Boom, bust, and recovery in Iceland. Econ Hum Biol. (2016) 20:90–107. doi: 10.1016/j.ehb.2015.11.001 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 26. Bor J, Basu S, Coutts A, Mckee M, Stuckler D. Alcohol use during the great recession of 2008-2009. Alcohol Alcohol. (2013) 48:343–8. doi: 10.1093/alcalc/agt002 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 27. de Goeij MCM, Suhrcke M, Toffolutti V, van de Mheen D, Schoenmakers TM, Kunst AE. How economic crises affect alcohol consumption and alcohol-related health problems: a realist systematic review. Soc Sci Med. (2015) 131:131–46. doi: 10.1016/j.socscimed.2015.02.025 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 28. de Goeij MCM, van der Wouden B, Bruggink JW, Otten F, Kunst AE. Impact of the post-2008 economic crisis on harmful drinking in the Dutch working-age population. Drug Alcohol Depend. (2016) 161:50–8. doi: 10.1016/j.drugalcdep.2016.01.012 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 29. de Goeij MCM, Bruggink JW, Otten F, Kunst AE. Harmful drinking after job loss: a stronger association during the post-2008 economic crisis? Int J Public Health. (2017) 62:563–72. doi: 10.1007/s00038-016-0936-3 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 30. Gili M, Roca M, Basu S, McKee M, Stuckler D. The mental health risks of economic crisis in Spain: evidence from primary care centres, 2006 and 2010. Eur J Public Health. (2013) 23:103–8. doi: 10.1093/eurpub/cks035 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 31. Global Burden of Disease. Greece Collaborators 2018. The burden of disease in Greece, health loss, risk factors, health financing. 2000–16: an analysis of the global burden of disease study 2016. Lancet Public Health. (2016) 3:e395–406. doi: 10.1016/S2468-2667(18)30130-0 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 32. Kalousova L, Burgard SA. Unemployment, measured and perceived decline of economic resources: contrasting three measures of recessionary hardships and their implications for adopting negative health behaviors. Soc Sci Med. (2014) 106:28–34. doi: 10.1016/j.socscimed.2014.01.007 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 33. Kaplan MS, Huguet N, Caetano R, Giesbrecht N, Kerr WC, McFarland BH. Heavy alcohol use among suicide decedents relative to a nonsuicide comparison group: gender-specific effects of economic contraction. Alcoholism. (2016) 40:1501–6. doi: 10.1111/acer.13100 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 34. Mateo-Urdiales A, Barrio Anta G, José Belza M, Guerras JM, Regidor E. Changes in drug and alcohol-related mortality by educational status during the 2008–2011 economic crisis: results from a Spanish longitudinal study. Addict Behav. (2020) 104:106255. doi: 10.1016/j.addbeh.2019.106255 CrossRef Full Text | Google Scholar 35. Yang JC, Roman-Urrestarazu A, Brayne C. Binge alcohol and substance use across birth cohorts and the global financial crisis in the United States. PLoS ONE. (2018) 13:e0199741. doi: 10.1371/journal.pone.0199741 CrossRef Full Text | Google Scholar 36. Lancee WJ, Maunder RG, Goldbloom DS. Prevalence of psychiatric disorders among Toronto hospital workers one to two years after the SARS outbreak. Psychiatr Serv. (2008) 59:91–5. doi: 10.1176/ps.2008.59.1.91 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 37. Mak IWC, Chu CM, Pan PC, Yiu MGC, Chan VL. Long-term psychiatric morbidities among SARS survivors. Gen Hosp Psychiatr. (2009) 31:318–26. doi: 10.1016/j.genhosppsych.2009.03.001 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 38. Phua DH, Tang HK, Tham KY. Coping responses of emergency physicians and nurses to the 2003 severe acute respiratory syndrome outbreak. Acad Emerg Med. (2005) 12:322–8. doi: 10.1197/j.aem.2004.11.015 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 39. Wu P, Liu X, Fang Y, Fan B, Fuller CJ, Guan Z, et al. Alcohol abuse/dependence symptoms among hospital employees exposed to a SARS outbreak. Alcohol Alcohol. (2008) 43:706–12. doi: 10.1093/alcalc/agn073 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 40. Ammar A, Brach M, Trabelsi K, Chtourou H, Boukhris O, Masmoudi L, et al. Effects of COVID-19 home confinement on eating behaviour and physical activity: results of the ECLB-COVID19 International online survey. Nutrients. (2020) 12:1583. doi: 10.3390/nu12061583 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 41. Ahmed MZ, Ahmed O, Aibao Z, Hanbin S, Siyu L, Ahmad A. Epidemic of COVID-19 in China and associated Psychological Problems. Asian Psychiatr J. (2020) 51:102092. doi: 10.1016/j.ajp.2020.102092 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 42. Fiocruz. (2020). Available online at: https://convid.fiocruz.br/index.php?pag=bebiba_alcoolica (accessed June 16, 2020). 43. Lee SA. How much “Thinking” about COVID-19 is clinically dysfunctional?. Brain Behav Immun. (2020) 87:97–8. doi: 10.1016/j.bbi.2020.04.067 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 44. Liang L, Ren H, Cao R, Hu Y, Qin Z, Li C, et al. The effect of COVID-19 on youth mental health. Psychiatr Q. (2020) 91:841–52. doi: 10.1007/s11126-020-09744-3 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 45. Nanos Research. Canadian Centre on Substance and Addiction (2020). Available online at: https://www.ccsa.ca/sites/default/files/2020-06/CCSA-NANOS-Increased-Alcohol-Consumption-During-COVID-19-Report-2020-en_0.pdf (accessed June 14, 2020). 46. Newby J, O'Moore K, Tang S, Christensen H, Faasse K. Acute mental health responses during the COVID-19 pandemic in Australia. medRxiv. (2020) doi: 10.1101/2020.05.03.20089961 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 47. Stanton R, To QG, Khalesi S, Williams SL, Alley SJ, Thwaite TL, et al. Depression, anxiety and stress during COVID-19: associations with changes in physical activity, sleep, tobacco and alcohol use in Australian adults. Int J Environ Res Public Health. (2020) 17:4065. doi: 10.3390/ijerph17114065 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 48. Sidor A, Rzymski P. Dietary choices and habits during COVID-19 lockdown: experience from Poland. Nutrients. (2020) 12:1657. doi: 10.3390/nu12061657 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 49. Sun Y, Li Y, Bao Y, Meng S, Sun Y, Schumann G, et al. Brief report: increased addictive internet and substance use behavior during the COVID-19 pandemic in China. Am J Addict. (2020) 29:268–70. doi: 10.1111/ajad.13066 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 50. Zhang Y, Wang J, Zhao J, Tanimoto T, Ozaki A, Crump A, et al. Association between quarantined living circumstances and perceived stress in Wuhan City during the COVID-19 outbreak: a rapid, exploratory cross-sectional study. SSRN [preprint]. (2020) doi: 10.2139/ssrn.3556642 CrossRef Full Text | Google Scholar 51. Murphy J, Brackbill RM, Thalji L, Dolan M, Pulliam P, Walker DJ. Measuring and maximizing coverage in the world trade center health registry. Stat Med. (2007) 26:1688–701. doi: 10.1002/sim.2806 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 52. Yu S, Considine K, Saleska E, Walker D, Richards A, Nguyen M, et al. New york city department of health and mental hygiene, RTI international. In: World Trade Center Health Registry Wave 4 Survey: Data File User's Manual (New York, NY) (2016) Google Scholar 53. Karanikolos M, Mladovsky P, Cylus J, Thomson S, Basu S, Stuckler D, et al. Financial crisis, austerity, and health in Europe. Lancet. (2013) 381:1323–31. doi: 10.1016/S0140-6736(13)60102-6 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 54. Mortensen K, Chein J. The great recession and racial and ethnic disparities in health services use. JAMA Intern Med. (2013) 173:315–7. doi: 10.1001/jamainternmed.2013.1414 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 55. Brown RL, Richman JA, Moody MD, Rospenda KM. Alcohol-related effects of POST-9/11 discrimination in the context of the great recession: race/ethnic variation. Addict Behav. (2019) 93:154–7. doi: 10.1016/j.addbeh.2019.01.019 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 56. Vanderbruggen N, Matthys F, Laere SV, Zeeuws D, Santermans L, den Ameele SV, et al. Self-reported alcohol, tobacco, and cannabis use during COVID-19 lockdown measures: results from a web-based survey. Eur Addict Res. (2020) 26:309–15. doi: 10.1159/000510822 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 57. Callinan S, Smit K, Mojica-Perez Y, D'Aquino S, Moore D, Kuntsche E. Shifts in alcohol consumption during the COVID-19 pandemic: early indications from Australia. Addiction. (2020) doi: 10.1111/add.15275. [Epub ahead of print]. PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 58. Bade R, Simpson BS, Ghetia M, Nguyen N, White JM, Gerner C. Changes in alcohol consumption associated with social distancing and self-isolation policies triggered by COVID-19 in South Australia: a wastewater analysis study. Addiction. (2020) doi: 10.1111/add.15256 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 59. Boylan J, Seli P, Scholer AA, Danckert J. Boredom in the COVID-19 pandemic: trait boredom proneness, the desire to act, and rule-breaking. Personal Ind Differ. (2020) doi: 10.1016/j.paid.2020.110387. [Epub ahead of print]. CrossRef Full Text | Google Scholar 60. Struk AA, Scholer AA, Danckert J, Seli P. Rich environments, dull experiences: how environment can exacerbate the effect of constraint on the experience of boredom. Cogn. Emot. (2020) 34:1517–23. doi: 10.1080/02699931.2020.1763919 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 61. Biolcati R, Mancini G, Trombini E. Proneness to boredom and risk behaviors during adolescents' free time. Psychol Rep. (2018) 121:303–23. doi: 10.1177/0033294117724447 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 62. Kuerbis A, Treloar Padovano H, Shao S, Houser J, Muench FJ, Morgenstern J. Comparing daily drivers of problem drinking among older and younger adults: an electronic daily diary study using smartphones. Drug Alcohol Depend. (2018) 183:240–6. doi: 10.1016/j.drugalcdep.2017.11.012 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 63. Suffoletto B, Ram N, Chung T. In-person contacts and their relationship with alcohol consumption among young adults with hazardous drinking during a pandemic. J Adolesc Health. (2020) 67:671–6. doi: 10.1016/j.jadohealth.2020.08.007 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 64. Dumas TM, Ellis W, Litt DM. What does adolescent substance use look like during the COVID-19 pandemic? Examining changes in frequency, social contexts, pandemic-related predictors. J Adolesc Health. (2020) 67:354–61. doi: 10.1016/j.jadohealth.2020.06.018 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 65. Holahan CJ, Moos RH, Holahan CK, Cronkite RC, Randall PK. Drinking to cope, emotional distress and alcohol use and abuse: a ten-year model. J Stud Alcohol. (2001) 62:190–8. doi: 10.15288/jsa.2001.62.190 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 66. Veenstra MY, Lemmens PH, Friesema IH, Tan FE, Garretsen HF, Knottnerus JA, et al. Coping style mediates impact of stress on alcohol use: a prospective population-based study. Addiction. (2007) 102:1890–8. doi: 10.1111/j.1360-0443.2007.02026.x PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 67. Moos RH. Theory-based active ingredients of effective treatments for substance use disorders. Drug Alcohol Depend. (2007) 88:109–21. doi: 10.1016/j.drugalcdep.2006.10.010 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 68. Luczak SE, Elvine-Kreis B, Shea SH, Carr LG, Wall TL. Genetic risk for alcoholism relates to level of response to alcohol in Asian-American men and women. J Stud Alcohol. (2002) 63:74–82. doi: 10.15288/jsa.2002.63.74 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 69. Wong TW, Yau JK, Chan CL, Kwong RS, Ho SM, Lau CC, et al. The psychological impact of severe acute respiratory syndrome outbreak on healthcare workers in emergency departments and how they cope. Eur J Emerg Med. (2005) 12:13–8. doi: 10.1097/00063110-200502000-00005 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar 70. Sim K, Chan YH, Chong PN, Chua HC, Soon SW. Psychosocial and coping responses within the community health care setting towards a national outbreak of an infectious disease. J Psychosomatic Res. (2010) 68:195–202. doi: 10.1016/j.jpsychores.2009.04.004 PubMed Abstract | CrossRef Full Text | Google Scholar


Keywords: alcohol, terrorism, economic crises, COVID-19, pandemic Citation: Gonçalves PD, Moura HF, Amaral RA, Castaldelli-Maia JM and Malbergier A (2020) Alcohol Use and COVID-19: Can we Predict the Impact of the Pandemic on Alcohol Use Based on the Previous Crises in the 21st Century? A Brief Review. Front. Psychiatry 11:581113. doi: 10.3389/fpsyt.2020.581113 Received: 07 July 2020; Accepted: 23 November 2020; Published: 18 December 2020. Edited by: Antonio Ventriglio, University of Foggia, Italy Reviewed by: Stefano Barlati, University of Brescia, Italy Julio Torales, National University of Asunción, Paraguay Copyright © 2020 Gonçalves, Moura, do Amaral, Castaldelli-Maia and Malbergier. This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License (CC BY). The use, distribution or reproduction in other forums is permitted, provided the original author(s) and the copyright owner(s) are credited and that the original publication in this journal is cited, in accordance with accepted academic practice. No use, distribution or reproduction is permitted which does not comply with these terms. *Correspondence: Priscila Dib Gonçalves, prisciladib@gmail.com



Fonte: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fpsyt.2020.581113/full

50 visualizações

CONTATO

grea.ipq@hc.fm.usp.br   

(11) 2661-7892

LOCALIZAÇÃO

Rua Dr. Ovídio Pires de Campos, 785

Cerqueira César - CEP: 05403-010

São Paulo - SP

NOSSAS REDES

  • Grey Instagram Ícone
  • Grey Facebook Ícone
  • Cinza ícone do YouTube

PARCERIAS