top of page
Buscar

Setembro Amarelo

Por: Ana Beatriz B. Abrahao


Diversos meios de comunicação aproveitam o mês de setembro, conhecido como mês amarelo, para divulgar questões relativas ao suicídio.


Acredita-se ser importante chamar a atenção para a causa de pelo menos 800 mil mortes no mundo por ano, de acordo com a Organização Mundial da Saúde OMS(1).


Por ser um fenômeno que é considerado multicausal, ou seja, pode ser originado a partir de vários motivos, pela complexidade do que envolve a notificação, e também por ser uma temática delicada, que envolve a saúde mental e o bem estar da população. As possibilidades de manejo são assuntos de extrema relevância. Fatores de risco (observados isoladamente ou agrupados) para o suicídio são inúmeros, como tentativa prévia de suicídio, diagnóstico prévio de dependência química, sexo masculino, presença de transtornos psiquiátricos associados, história familiar pregressa, como abuso físico e sexual, violência doméstica, maus tratos, fatores genéticos e ambientais, sentimentos de desesperança, desamparo, solidão, depressão, uso de substâncias ilícitas e abuso de substâncias lícitas, fácil acesso a meios letais, entre outros). A avaliação psiquiátrica, psicológica e clínica de risco individual a partir da compreensão destes elementos é mandatória.


No entanto, quando surge a associação entre abuso de substâncias psicoativas lícitas ou ilícitas com overdose e desfecho letal, tendo como meio a intoxicação por uso de substâncias, existe uma enorme dificuldade para diferenciar overdoses intencionais (ODI), classificadas muitas vezes como tentativas de suicídio e overdoses acidentais (ODA).

Em “Suicídio e Overdose” (2) os autores argumentam que o ponto crítico diferencial estaria na intenção. Se por um lado, “complicações não intencionais, incluindo a morte, associados ao uso de substâncias psicoativas configuram mais de 100 mil mortes por ano”, alguns fatores são relevantes na indicação sobre a intencionalidade da ação: quantidade de substância consumida, presença de mecanismos de tolerância a essa determinada substância, metabolização, características individuais dos usuários como condição prévia de saúde, eventuais doenças de base, comorbidades, uso concomitante de medicamentos.


É de fundamental importância salientar, que nem sempre, como discutem Oliveira Jr e cols (2) os contextos clínicos são claros e portanto, existe uma inevitável superposição de mortes associadas ao uso de drogas , que ocorrem de modo não intencional—overdoses acidentais e tentativas ou mortes associadas ao uso de drogas, que ocorrem de modo intencional.


No entanto, a compreensão do evento é sempre dificultada pela impossibilidade de investigação da intencionalidade.


O acesso ao conhecimento a respeito das situações que podem levar ao suicídio e à overdose é de fundamental importância, para que questões relativas a cada acontecimento possam ser esclarecidas, precocemente identificadas e manejadas da melhor forma possível. Lamentavelmente isto nem sempre ocorre. O acesso à informação confiável, cientificamente validada, pode não ser possível e nunca ocorrer, considerando a extensão das consequências.







Referências :




Oliveira Jr HP, Carezzato F, Malbergier A. Suicidio ou Overdose. In: Damiano RF, Luciano AC, Cruz IDG, Tavares H. Compreendendo o Suicídio. 1ª Ed. São Paulo: Manole; 2021. p.134 - 143.


Kaplan MS, Kerr WC, McFarland BH, Bensley K, Caetano R, Giesbrecht N, Monnat SM, Nolte KB. A Reply to Monteiro et al.’s (2020) ‘Alcohol Policy and Coronavirus: An Open Research Agenda’. Journal of Studies on Alcohol and Drugs. 2020 Set;81(5):687- 688.



Ana Beatriz Balieiro Abrahao Psicóloga Clínica, Comunicadora-

Colaboradora do - GREA -IPqFMUSP

Especialista em Psicopatologia Fenomenológica e Pós Bacharelado em Columbia University New York City

120 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Estimativa 2020 Incidência de Câncer no Brasil

Além da altíssima incidência de câncer de mama no mundo ( 2,3 milhões de casos novos – 24,5% dos casos novos por câncer em mulheres estimados em 2020 (1), ele é também a causa mais freqüente de mort

Comments


bottom of page