Buscar

Quatro motivos para você não beber álcool antes de dormir

Apesar de algumas pessoas recorrerem a uma cerveja ou vinhozinho para conseguir dormir melhor, o hábito traz grandes riscos à saúde


Para quem gosta de tomar alguma bebida alcóolica antes dormir na intenção de aumentar a sensação de sono, especialistas alertam para os riscos que isso pode trazer para a saúde. Estudos indicam que cerca de 30% das pessoas com insônia recorrem ao álcool, mas essa atitude pode trazer resultados negativos à saúde.


De acordo com o médico Keith Heinzerling, especialista em medicina antidependência do Providence Saint John’s Health Center, consumir bebidas alcóolicas para dormir não proporciona um sono tão bom quanto aquele que acontece de forma natural. “Quando você está tomando algo artificial para induzir o sono ou para prolongá-lo, isso não ajuda o cérebro e o corpo em seu processo de restauração”, explica.


Veja quatro motivos porque você não deve ingerir álcool antes de dormir:


Atrapalha os ritmos circadianos

Responsável para ajudar o corpo a cair no sono à noite, ciclo circadiano pode ser alterado com a ingestão de álcool. Este ciclo é definido pelo relógio biológico do corpo humano. No cérebro, as células nervosas que coordenam as nossas funções fisiológicas diárias, também preparam o corpo para dormir ao fim do dia.

A principal forma pela qual o álcool interrompe esse ritmo é suprimindo a produção de melatonina – hormônio que estimula o sono e também é produzido por essas células.


Bloqueia o sono de REM

Essa é aquela fase do sono marcada por rápidos movimentos oculares. O estágio também é conhecido por estimular partes do cérebro na consolidação e na memória. Quando essa fase é pouco aproveitada ou seja, quando você dorme pouco o sono REM, há maiores chances de ter depressão, ansiedade e desenvolver demência.

Normalmente, o sono REM acontece cerca de 90 minutos depois que você adormece. Quando você consome álcool, seu início é retardado. Uma pesquisa realizada em 2013 e que revisou mais de 27 estudos, concluiu que quanto mais ingestão de bebida alcóolica, menos sono REM você terá.


Além disso, a medida que o álcool é metabolizado e sai do seu sistema, a probabilidade de você despertar é maior. O que resulta em um sono cada vez menos proveitoso e restaurador


Sono interrompido pela vontade de ir ao banheiro

O álcool é um componente diurético e, consequentemente, vai aumentar seu desejo de urinar. Isso acontece porque ele suprime a vasopressina (hormônio que regula a quantidade de água absorvida pelos rins) e sem o nível correto desse hormônio, esse órgão armazena menos água e coloca mais líquido na bexiga para urinar.


Um estudo publicado na Alcohol and Alcoholism, que avaliou o nível diurético de 12 homens que ingeriram um litro de cerveja, indicou um aumento na produção de urina dos avaliados. Esse índice subiu de 2% para 4% quando em comparação com indivíduos que não beberam álcool.


Aumenta os problemas respiratórios durante o sono

O efeito que álcool tem no corpo humano pode deprimir o sistema nervoso central, além de desacelerar a frequência cardíaca e do sistema respiratório. Seu efeito no corpo relaxa os músculos responsáveis pela respiração, o que pode dificultar esse processo natural em pessoas que têm apneia do sono.

Para quem não tem apneia, a ingestão de bebidas alcóolicas pode induzir para aparição dos seus sintomas, como o ronco, por exemplo. “A apneia do sono, ou quando você para de respirar temporariamente durante a noite, é uma grande perturbação na qualidade do sono”, disse Heinzenberg ao jornal Insider.


A recomendação do especialista, para quem quer ter uma noite de sono melhor, é fazer a ingestão de bebidas naturais, como chá de camomila que não é nocivo ao corpo. Heinzenberg ainda orienta sobre a necessidade de conversar com seu médico caso esteja enfrentando dificuldades para dormir.


Fonte: https://www.metropoles.com/vida-e-estilo/quatro-motivos-para-voce-nao-beber-antes-de-dormir

56 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Além da altíssima incidência de câncer de mama no mundo ( 2,3 milhões de casos novos – 24,5% dos casos novos por câncer em mulheres estimados em 2020 (1), ele é também a causa mais freqüente de mort